Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2014

OS DE ONTEM

Imagem
Homenagem ao município do Acaraú, nos seus 165 anos de emancipação política
Homenagem ao Município do Acaraú, minha terra natal (e minha também, Dimas Carvalho).
Dimas Carvalho
Acaraú, nas tuas largas ruas, A poeira dos séculos repousa: Petrificada luz que no chão pousa, Antiga Luz de tantos sóis e luas... O silêncio é o presente que não ousa Transpor o Rio, onde o passado estua... Mas quando, à noite, o vento do Mistério, Por entre as ruas e avenidas sopra, Vejo surdir a inumerável tropa, Vinda do Abismo do esplendor funéreo... São os ginetes do passado. São Os teus fantasmas, cada qual ao turno, Que lhe compete, de gibão, coturno, Deslizando em suave procissão... Acaraú, ó girassol noturno, Do Ceará emblema e coração.

Dimas Carvalho

Barro, barroco

Sem você, sou a parte, não o todo.
Mas quando, sendo partes, nos amamos,
Então somos, o todo, desse instante... 
E sentimos ser o todo até o fim.
Vicente Freitas
CurtirCurtir

Indagação

Imagem
Como é o corpo?
Como é o corpo da mulher? 
Onde começa: aqui no chão
Ou na cabeleira, e vem descendo?
Como é a perna subindo e vai subindo
Até onde?
Vê-la num corisco é uma dor 
No peito, a terra treme.
Diz-que na mulher tem partes lindas
E nunca se revelam.
Maciezas Redondas.
Como fazem
Nuas, na bacia, se lavando,
Para não se verem nuas nuas nuas?
Por que dentro do vestido muitos outros vestidos e brancuras e engomados,
Até onde?
Quando é que já sem roupa
É ela mesma, só mulher?
E como que faz
Quando que faz
Se é que faz
O que fazemos todos porcamente?


Carlos Drummond de Andrade