Severina

paisagem fundida na poeira


árvores / pessoas


tristes, indolentes



o caminho lega léguas de sOl



cascos (dolentes guizos)



cor indefinida


ossos, chão, campos

derretem / coração



deixam-se ficar pelo caminho


órfãos, sem estrelas



– vida árida, severina





Vicente Freitas

Comentários

  1. Oi Vicente, vim agradecer a sua visita no meu blog. É uma honra pra mim ter um poeta/jornalista visitando minha página na web. Comecei com o blog a pouco tempo, não tenho experiência com a escrita ainda... Muito obrigada mesmo viu...
    Estou te seguindo também!!! Seus blogs são INCRÍVEIS, tanto esse como o outro... Sinta-se sempre bem vindo para me visitar!!! Quando quiser fazer críticas sobre o que escrevo aceito!!! Abraços... Mariane (Univsero das Palavras)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Minha Personalidade INFP

Literatura e Escritores Cearenses