A arte de ser resiliente


Irina Sopas 

Atualmente é habitual ouvirmos no dia a dia que temos que ser resilientes, ou que a resiliência deveria ser intrínseco ao ser humano, assim como os olhos, o coração etc. Se calhar até você já falou isso, mas por ventura já procurou saber o verdadeiro significado da palavra resiliência? Ou como pode ser proveitosa na sua vida, no seu trabalho, relacionamentos enfim no quotidiano? O assunto da resiliência é trabalhado em todas as áreas como saúde, finanças, indústria, sociologia, e psicologia.

No Brasil a resiliência é um tema recente, por isso o seu conceito por vezes torna-se incompreensível ou polêmico, porém este já é utilizado na America do Norte há alguns anos. Atualmente podemos encontrar alguns livros que abordam o tema da resiliência como Resiliência: Descobrindo as Próprias Fortalezas de Aldo Melillo e Elbio Néstor Suárez Ojeda, El Poder de La Resiliencia de Brooks, entre outros.

O que seria a arte da resiliência? A palavra “resiliência” origina do inglêsresilient e foi inicialmente utilizada na física. De acordo com o Dicionário Aurélio é a propriedade pela qual a energia armazenada em um corpo deformado é devolvida quando cessa a tensão causadora duma deformação elástica. De modo figurado é a resistência ao choque. No âmbito da psicologia é a capacidade do ser humano de vencer as dificuldades, superar adversidades, obstáculos, por mais fortes e traumáticos que eles sejam. Seria a faculdade de passar por experiências adversas sem prejuízos para o desenvolvimento. Essas experiências podem ser a morte de um parente querido, um fim de relacionamento, a perda de um emprego, pressão no trabalho etc.

O ser humano deve ser capaz de descobrir novas formas de lidar com a vida, traumas e sofrimentos e dessas experiências reorganizar-se de maneira eficaz, levando ao seu progresso ou crescimento.

"A vantagem, se existe alguma, em estar no fundo do poço é que qualquer movimento leva-nos para cima.” – Donald Trump

Um ser humano que ao ser submetido a adversidades tem a capacidade de superá-las sucessivamente, moldando-se a cada obstáculo e desafio, possui a arte da resiliência, mas para praticar a arte de ser resiliente é necessário um foco, pois sem um motivo concreto o individuo não se sentirá motivado e, por conseguinte terá uma maior dificuldade de superar as dificuldades. Existem dois tipos de indivíduos: os que nascem resilientes e os que se tornam resilientes.

O administrador Leonardo Grapeia, ressalta algumas dicas que podem ajudar na arte de ser resiliente que são úteis para todos nós, independente da área de atuação ou adversidade: Mentalizar seu projeto de vida, mesmo que não possa ser colocado em prática imediatamente. Sonhar com seu projeto é confortante e reduz a ansiedade – Aprender e adotar métodos práticos de relaxamento e meditação – Praticar esporte para aumentar o ânimo e a disposição. Os exercícios aumentam endorfinas e testosterona que, conseqüentemente, proporcionam sensação de bem-estar – Procurar manter o lar em harmonia, pois este é o “ponto de apoio para recuperar-se” – Aproveitar parte do tempo para ampliar os conhecimentos, pois isso aumenta a autoconfiança – Transformar-se em um otimista incurável, visualizando sempre um futuro bom –Assumir riscos (ter coragem) – Tornar-se um "sobrevivente" repleto de recursos no mercado profissional; Apurar o senso de humor (desarmar os pessimistas) – Separar bem quem você é e o que faz – Usar a criatividade para quebrar a rotina – Examinar e sobre a sua relação com o dinheiro – Permitir-se sentir dor, recuar e, às vezes, enfraquecer para em seguida retornar ao estado original.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre a arte de ser resiliente, eu pergunto: você nasceu resiliente ou precisa tornar-se resiliente? Por via das dúvidas pratique essa arte, pois através dela você desenvolverá a faculdade de ultrapassar de forma positiva e progressiva obstáculos e infortúnios da vida e no âmbito profissional que no passado se mostravam como uma pedra no seu caminho. 
Irina Sopas
____________________________
A partir de hoje (e sempre aos sábados), iniciamos a publicação, neste blog, de artigos, resenhas, crônicas, ensaios e poemas da jovem escritora, Irina Sopas, uma revelação, vinda de Angola, para enriquecer a literatura brasileira. IRINA SOPAS é o nome artístico de Irina Andrea Jacinto Sopas, nascida em 18.09.1984, em Luanda. Transferiu-se para o Brasil em 1999. Atualmente, reside no Rio de Janeiro. Cursa faculdade de Direito, pela UCAM, Universidade Cândido Mendes. Escreve poesia, crônica, artigo e ensaio. Participou da Antologia de Poetas Brasileiros – Volume 56 –Junho de 2009, organizada pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores. Tem trabalhos publicados na Internet, como no site “Amo Leblon”, editado por Luiz Aviz, do qual é colunista (www.amoleblon.com.br); "Club-k-Angola", editado no Brasil por Nelo de Carvalho (http://club-k-angola.com/); "Blocos", de Urhacy Faustino e Leila Míccolis  (www.blocosonline.com.br). Edita desde 2009 o blog http://irinasopas.blogspot.com/. Sua "I Coletânea de Poemas” (nome provisório), que marcará sua estreia em livro, já recebeu avaliações positivas de escritores veteranos, como: Mano Melo e Ricardo Alfaya. Atualmente tem o seu primeiro romance em fase de produção, que se passa no Brasil (Rio de Janeiro) e relata a história de "Bia", uma advogada de 27 anos, que mora sozinha, é drunkholic e acredita ser uma vítima da Lei de Murphy. Leia, comente, participe!

Comentários

  1. O que é resiliência? O termo foi pego de empréstimo à Física. Acho que significa a capacidade que um material tem de voltar à forma original. O assunto é relativamente novo? Não tão novo, contudo gostei do tema, ou melhor, dos recursos que você utilizou para abordá-lo. Parabéns,Irina. Bj Grande!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Minha Personalidade INFP

Literatura e Escritores Cearenses