No meio do asfalto


18
JAN
ó garotinha, sem banho
pequena (flor) no asfalto
onde o sonho dessa noite (?)

onde os conceitos
onde os narcóticos
as repugnantes pedras (?)

se tu pudesse sonhar, dormir
se tua boca pudesse unir-se à poesia
                      
                   *  *  *

que teus humores filtrem-se
nessa cápsula de fumaça
entorpecendo / apaziguando
–  tuas retinas fatigadas

Vicente Freitas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Minha Personalidade INFP

Literatura e Escritores Cearenses