Lua Cheia

O poeta vaga pela cidade, 
ninguém o reconhece. 
Ele divaga: fala algo, com seus botões,
língua doce, desconhecida dos mortais. 
O poeta sobrevoa a cidade.
Cai a noite cheia de luas: 

Lua Cheia

Vicente Freitas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Minha Personalidade INFP

Literatura e Escritores Cearenses