Apelo

Não fique tensa, Musa.

Não subestime seu poeta sonhador,

Nem a singeleza do seu verso: 

Telúrico, menor, quiçá, que os versos 

Do velho trovador do Siará.


Posso sentir, ainda, no ar,

Cantigas e queixas amorosas.

Mensagens de rimas, místicas,

Domínio da forma e do espaço.


Zeus, ó Deus poderoso do Olimpo,

Envia-me as nove. Quero as nove. 

Ouça meu apelo:

Envia-me poderes inconscientes.

Quero amar, escrever, criar.

Reunir energia nova

— Para o novo século da poesia.


Vicente Freitas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Minha Personalidade INFP

Literatura e Escritores Cearenses